Ir para conteúdo principal
Entrar E-books & etc

Miniwedding em detalhes

Postado dia 5 de março de 2015 por Nathalia

Muitas vezes sou surpreendido por casais que chegam ao meu escritório certos de que um miniwedding é uma forma econômica de se casar. Após um café, um bom papo informal e, travando assim, uma certa “intimidade” com o casal, vem a hora de contar-lhes a dura realidade: ledo engano! Um miniwedding, ao contrário do que muitos acreditam, não é uma forma de se economizar. É, apenas uma maneira diferente de celebrar o casamento. Diria até mesmo que é uma forma de esbanjar! Esbanjar no contato com seus convidados, pois você não estará atrás de uma multidão de pessoas em uma pista de dança; esbanjar na gastronomia, pois, para um número menor de pessoas, você poderá optar por dar a seus convivas algo de melhor qualidade e, poderá, também, optar por aquele restaurante incrível que vocês dois adoram, ou onde ele lhe pediu em casamento; esbanjar na escolha de melhores bebidas e, por fim, esbanjar em originalidade. Afinal, numa comemoração para poucos convidados os detalhes chamam mais atenção. Até a decoração fica mais evidente.

Mas vamos colocar toda esta poesia de lado e falar de números? Como um casamento para 80 pessoas poderá custar a mesma coisa que um de 200 ou 300 convidados? Em primeiro lugar, existem os custos fixos. Independentemente do tamanho da festa, o aluguel do espaço, o vestido da noiva, os serviços de cabelo e maquiagem, a fotografia e a filmagem, a música, o DJ, o celebrante são alguns dos itens que não são cobrados por pessoa, logo, esse custo será diluído por um número menor, resultando num valor maior. Também há de se levar em conta que as próprias escolhas em alimentos e bebidas, que por ser para um número menor de pessoas, acaba sendo mais exigente e, claro, mais caro. Muitas vezes é exatamente nos casamentos menores e mais intimistas que o casal troca o prosecco ou a cava por um excelente champanhe, ou substitui o uísque 8 anos por um 12 ou 25 anos e, como uma coisa acaba levando a outra, o vinho tinto e a vodca, e até mesmo a cerveja, acabarão por acompanhar essas escolhas.

Também gosto sempre de lembrar que em um miniwedding você não tem convidados, e sim “eleitos”. Exatamente! Vocês escolhem a dedo quantas e quais pessoas lá estarão. A lista será tão restrita que o percentual de falta cairá drasticamente, chegando, às vezes, bem próximo de zero. E por essas pessoas serem tão queridas e se sentirem tão especiais, elas dificilmente vão embora. Afinal, são todas íntimas! Então, por isso, preparem-se porque todo o consumo será maior! Mais alimentos, mais bebidas, mais horas extras… Despeço-me deixando bem claro que minha intenção não é a de derrotar os sonhos das pessoas que querem fazer um miniwedding, mas sim dar força! Muita força! Todos os meus clientes que o fizeram ficaram muito felizes e realizados, principalmente por terem feito algo pessoal e muito original. Mas é importante deixar claro que o miniwedding não é sinônimo de um casamento mais econômico, é apenas uma comemoração diferente, para poucos e queridos amigos. Case e arrase!